Resumo – Culto de Oração 13/04/2016

RESUMO DO CULTO DE ORAÇÃO – 13/04/2016

TEXTO BASE: 1 Pe 1:1-9

CONTEXTO HISTÓRICO: Perseguição ferrenha aos cristãos;

OBJETIVO DA CARTA: Encorajamento dos cristãos perseguidos.

Logo no início do texto (v. 1) o apóstolo Pedro lembra aos cristãos de sua verdadeira identidade: forasteiros aqui nesta terra. Eles se encontravam aterrorizados com as perseguições que vinham sofrendo na época em que reinava o imperador romano Nero. Para consolá-los e encorajá-los a continuarem na caminhada cristã, o apóstolo relembra aos mesmos algumas verdades acerca da salvação (v. 2): foram escolhidos segundo a presciência de Deus, santificados pelo Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus. Mas o que fazer para ter consolo em meio as lutas e provações da vida? As nossas lutas não são encobertas ao Senhor. Ele está no controle e por isso devemos ter uma ação de louvor, de ação de graças, de adoração (v.3). Temos que louvar e exaltar ao Senhor em todo tempo, independente das circunstâncias, uma vez que, segundo a sua misericórdia, Ele nos regenerou quando estávamos mortos em nossos delitos e pecados, ou seja, Ele nos deu vida. Por mais que as lutas se intensifiquem devemos continuar a prosseguir por sermos conhecedores dessas verdades. Fomos regenerados para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus. Essa esperança é viva, nos apoia, nos faz perseverar e a não desistir da caminhada cristã. O apóstolo traz à mentalidade daqueles cristãos uma realidade espiritual que existia por trás daquela situação de perseguição. Ele redireciona o olhar do povo a um nível espiritual. Vemos no versículo 4 do texto que faz parte dessa viva esperança uma herança eterna. Em meio as nossas provações, devemos redirecionar o nosso olhar para essa herança que é incorruptível, incontaminada e imarcescível. O nosso consolo está em outra realidade, uma realidade espiritual. Tal herança já nos está reservada pelo Senhor e se encontra nos céus. Os cristãos destinatários da carta estavam temerosos em sucumbirem em sua fé por conta da acirrada perseguição que se levantara contra os mesmos. Todavia, no versículo 5, podemos observar a seguinte promessa: eles estariam guardados pelo poder de Deus para a salvação que haveria de se manifestar no último tempo. Por isso que os mesmos não iriam naufragar na sua fé e desistir da caminhada cristã. No versículo 6 vemos o apóstolo dizendo que eles deveriam “exultar” ( ter alegria profunda) nas verdades que ele acabou de lhes trazer à memória. Hoje em dia, assim como estava acontecendo com os cristãos daquela época, nós não nos alegramos por não termos a consciência acerca das verdades que envolvem a nossa salvação. Antes, quando os cristãos passavam pelas mais diversas provações eles tinham o seu caráter amoldado ao de Cristo. Hoje, se passarmos por provações, muitas vezes fazemos é regredir com atitudes de rebeldia, murmurações e outras. Pedro deu a eles muitos motivos para perseverarem até o fim e esses mesmos motivos servem para nos alegrarmos e aplicarmos em nossas vidas hoje quando passarmos por tribulações. O termo “breve tempo”, ainda no versículo 6, nos mostra que há um tempo fixado por Deus para passarmos pelas provações. É a medida necessária fixada pelo Senhor para a nossa fé ser provada e com isso podermos crescer espiritualmente. Se eu não tenho lutas para aplicar na prática a minha fé, como vou saber que tipo de fé eu tenho?! A fé quando exercitada cresce e se desenvolve igual aos músculos do nosso corpo quando são exercitados e estimulados. A prova da nossa fé redunda em honra, louvor e glória a Deus (v. 7). A fé daqueles cristãos cresceram ao ponto de chegar até nós hoje. O apóstolo Pedro nos dá as diretrizes, as estratégias de como continuarmos em nossa caminhada cristã mesmo em meios a duras provações.

PREGAÇÃO: Pastor Hélio Damasceno

TEXTO: Wannah Fernanda

“Portanto dele, por Ele e para Ele são todas as coisas. A Ele seja a glória perpetuamente! Amém.” Romanos 11:36

Publicar um comentário